Equoterapia toma conta do terceiro dia da Reatech 2017

Cães, coelhos, porquinhos da índia e, claro, cavalos. Os encantos dos bichos são um dos destaques do terceiro dia da 15ª Edição da Reatech – Feira Internacional de Tecnologia em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, que termina amanhã, 4, na São Paulo Expo, em São Paulo. Gati Equoterapia, Texas Ranch e Hípica Santa Terezinha trazem para a feira o melhor que há na terapia com animais para pessoas com deficiência.

IMG_0353“Sempre participamos da Reatech para mostrar a importância da inclusão” – Elizabeth Melani, gestora do centro de equoterapia Texas Ranch

“Em cima do cavalo não há diferenças”. É com essa frase que Elizabeth Melani, gestora do centro de equoterapia Texas Ranch, afirma que a interação com os animais proporciona um grande avanço para o desenvolvimento das pessoas com deficiência cognitiva, intelectual e motora.  “Sempre participamos da feira Reatech para mostrarmos o quão é importante a inclusão. Tanto na vida familiar como na social”, enfatiza Elizabeth. Como novidade na feira, a instituição tem parceria com paratletas no manejamento dos cavalos presentes no evento.

IMG_0373Eliane Bartsch, coordenadora da Hípica Santa Terezinha. “O cavalo é um animal de porte, beleza, força, porém, ele também é muito dócil e amigo do praticante. Eles estabelecem uma relação de amizade e confiança múltipla”.

Eliane Bartsch, coordenadora da Hípica Santa Terezinha, trabalha com equoterapia há 19 anos e não esconde  a alegria de trazer uma grande novidade para esse setor da Reatech. “Amanhã traremos uma paciente nossa que fez uma cirurgia de desconexão do lado esquerdo do cérebro. Ela fará uma apresentação de dança do ventre em cima de um cavalo fantasiado com asas. Ela é o caso mais bem sucedido do país em relação a essa cirurgia!”, conta com entusiasmo a coordenadora. De acordo com Eliane, cavalo e pessoas com deficiência formam a combinação perfeita de reabilitação. “O cavalo é um animal de porte, beleza, força, porém, ele também é muito dócil e amigo do praticante. Eles estabelecem uma relação de amizade e confiança múltipla”.

Júlia Carvalho, psicóloga e coordenadora da Gati Equoterapia. "animais ajudam as crianças à ler e interagir uma com as outras".

Júlia Carvalho, psicóloga e coordenadora da Gati Equoterapia. “animais ajudam as crianças à ler e interagir uma com as outras”.

Bichinhos fofos despertam a atenção de qualquer criança. Aliados ao desenvolvimento do aprendizado e interação, o benefício da reabilitação de crianças com deficiência tende a ser maior. O Gati Equoterapia mostra isso para a Reatech. “Somos uma clínica especializada em atendimento e reabilitação tanto de aprendizagem como física e psicológica. Usamos os animais como mediadores das terapias”, explica Júlia Carvalho, psicóloga e coordenadora da Gati Equoterapia.

Por ser uma instituição particular, irá promover para as crianças visitantes da feira atendimentos gratuitos para os tratamentos médicos da Gati. “A gente incentiva os pacientes para a leitura. Treinamos bichinhos para ficarem na frente dos livros. Assim, a criança tem uma interação maior com o aprendizado. Queremos proporcionar essa experiência para quem não tem condições financeiras para pagar essa terapia”, comenta Júlia.

Veja em:

Equoterapia toma conta do terceiro dia da Reatech 2017